terça-feira, 3 de novembro de 2009

A raça pura ou a raça puta?

Andando por aí me deparo com a “pureza” da raça alemã, dos vikings escandinavos, do típico estereótipo de um francês, a branqueza dos arianos britânicos, a "amarelizidade" dos japoneses ou ainda a negritude azulada dos africanos e me vem uma pergunta? Porque algumas culturas tem sempre que querer definir a superioridade de uma raça por um simples detalhe que é a cor da pele? Definir a superioridade de um grupo, de uma religião, de um sistema político, de uma linha de pensamento, sobre outro?

Krishnamurti diz em seu livro A Educação e o Significado da Vida que “...as crenças, as ideologias e as religiões organizadas nos põem contra nossos semelhantes; há conflitos não somente entre comunidades diferentes como também dentro da mesma comunidade...” e continua... “Há também a questão do patriotismo. O Patriotismo não é evidentemente uma emoção natural. Somos diligentementes estimulados a ser patriotas pelos meios que nos incitam ao egoísmo racial e pelo ensino que nossa maneira de viver é melhor que a dos outros.”

Apesar de nossa libertinagem pós ditadura militar, onde mesmo o que era bom e funcionava foi negado ao extremo – que na verdade é um comportamento humano normal, pois quando vivemos sob o jugo de uma filosofia, idéia ou religião imposta e nos libertamos tendemos a negar e corremos para o lado oposto - no nosso caso ainda estamos buscando o equilíbrio de nossa jovem democracia e de nossa jovem liberdade. Mas quanto às raças somos o país mais democrático que existe. Nos misturamos, tentamos nos aceitar – menos os corintianos e os palmeirenses e os flamenguistas e vascaínos – e avançamos, e talvez por isso mesmo por essa grande mistura estejamos criando a raça mais “impura” possível, onde nosso DNA carrega um pouco de cada cor, de cada raça e comportamento do planeta, vemos isso pela valorização do passaporte brasileiro no mercado negro, já que qualquer um pode ter a cara de um brasileiro.

Afinal, qual a cara do brasileiro ? Todas e nenhuma. Se por acaso surgir um vírus que ataque todas as raças que se dizem puras, o que sobrará? A raça puta, aquela onde todos os sistemas de defesa se misturaram, onde todos os DNA´s se mesclaram...não é isso uma das teses de defesa da evolução humana, da seleção natural defendida por Darwin. Aquele que mais se adapta ao ambiente é o que sobrevive???

É... certos estavam os portugueses que "pegavam" todas e nos legaram essa herança, essa raça linda, gingada, saudável, livre, leve, solta, deliciosa e sem identidade definida, sem um perfil padrão. A nossa raça brasileira.

4 comentários:

Camila disse...

Concordo e acrescento: e por isso é a raça mais rica em tudo(o que realmente importa, rsrs)
bjs p vc, Fred.

Kat disse...

Viva Darwin. Viva crescei-vos e multiplicai-vos.

Paulo Endo disse...

Concordo pois todos temos um pé na senzala - os cientistas do genoma humano comprovam que a Eva era africana. Mas melhor que pertencer à raça pu(r+t)a é pertencer à raça humana e ser brasileiro então é melhor ainda.
Abraço para vc

Cadu disse...

Acho interessante adicionar que o fato da RAÇA ser uma questao de conflitos e todos repudiam o RACISMO, devemos tambem entender que o mesmo mecanismo e aplicado para o caso do ESPECISMO, que é a crença que, somente por nao ser da mesma especie, entao sao inferiores e passiveis de serem usados e massacrados sem dó nem piedade. Isso acontece todos os dias, no prato de comida de muita gente, nos armarios de alguns, em laboratorios, etc....